Sejam bem-vindos ao Mandy Moore Brasil, a sua fonte de informações sobre a atriz Mandy Moore, mais conhecida por dar a vida às personagens Jamie Sullivan em Um Amor Para Recordar e Rebecca Pearson em This Is Us, no Brasil! Aqui você encontrará todas as notícias, desde aparições, novos projetos, cada detalhe dos seus trabalhos, entrevistas e muito mais. Esperamos que goste de nosso trabalho e volte sempre!
autor: laura

Mandy é a capa da edição de setembro da Vera Magazine, tendo concedido uma entrevista sobre This Is Us e sobre a sua carreira musical à escritora Jane Mulkerrins e um belo ensaio fotográfico à fotógrafa Ramona Rosales! Confira os scans da revista e o ensaio na nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo (a entrevista já está sendo transcrita e em breve será publicada aqui):

collide_0240.jpg collide_0667.jpg collide_0830.jpg collide_1340.jpg

INÍCIO > SCANS | MAGAZINE SCANS > 2019 > VERA MAGAZINE [SETEMBRO]

collide_0240.jpg collide_0667.jpg collide_0830.jpg collide_1340.jpg

INÍCIO > ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2019 > VERA MAGAZINE [SETEMBRO]

autor: laura

Mandy Moore diz que a sua carreira começou em um jogo do Orlando Magic aos 12 anos. “Uma lâmpada disparou” enquanto observava uma garota de sua idade cantar o hino nacional. Moore enviou um vídeo de si mesma cantando para os funcionários do Orlando Magic, conseguiu emprego cantando para equipes esportivas e foi descoberta por um estúdio de gravação. Como caloura do ensino médio, ela conseguiu um contrato de gravação, fez uma turnê com o NSYNC e se tornou uma estrela pop.

Apesar do estrelato, ela não foi forçada a crescer muito rápido. “Todo mundo sempre me permitia ser eu“, diz ela. “Eles entendiam que eu era jovem antes de tudo“.

Agora com 35 anos, Moore estrela como a matriarca Rebecca Pearson em “This is Us“, que lhe rendeu uma indicação ao Emmy de Melhor Atriz Principal em uma Série Dramática. a personagem de Moore tem um bebê natimorto, sofre a morte de seu marido enquanto cria os três filhos e, eventualmente, possui demência.

Foi o desafio que mais me assustou ao assumir um papel como esse“, diz ela sobre o papel de Pearson.

No piloto de “This Is Us“, a sua personagem está grávida de trigêmeos e perde um deles. Então, quando o programa foi escolhido, o criador do show, Dan Fogelman, disse que a história seria contada fora de sequência, então ela interpretaria alguém entre os 20 e os 60 anos.

Ela diz que ficou assustada no começo, mas três temporadas depois, “parece como calçar um par de sapatos confortável“.

  • Se curando de seu casamento e divórcio com o músico Ryan Adams

Moore se abriu recentemente sobre o seu relacionamento com Ryan Adams, que foi acusado de má conduta sexual por várias mulheres.

Eu realmente me senti… tão empoderada e encorajada pelas mulheres que decidiram se apresentar desde então. Não necessariamente apenas sobre esse caso e essa pessoa em particular, mas apenas em geral. Sinto que isso abriu uma conversa que realmente precisa estar na vanguarda mais“, diz ela.

Moore disse que Adams era uma força destrutiva em sua vida, e que ele tentou controlá-la e arruinou a sua carreira musical.

Demorei um pouco de tempo para realmente contextualizar o que aconteceu. Eu sabia que não estava tudo bem. Eu sabia o quanto estava danificada por isso. Eu sabia que tinha que fazer o trabalho sozinha para reconstruir a minha autoestima, o meu senso de si mesma, o mundo ao meu redor e, de muitas maneiras, o meu relacionamento com a música, o meu relacionamento com a minha carreira em geral“, diz ela. “Demorou tempo, distância e muita terapia… só posso controlar o meu lado da rua, ter em mente a minha responsabilidade na situação e fazer o trabalho. E é isso que continuo fazendo.

  • Fazendo música novamente

Moore diz que o lado musical dela está florescendo agora. Seu último álbum foi lançado há 10 anos, mas ela diz que está trabalhando em novas músicas e que colocou para descansar uma década parada. “Não sabendo fazer música novamente, por que fazer música novamente, eu poderia fazer música novamente? Parcialmente porque essa pessoa me fez sentir tão pequena, e eu me permiti sentir-me tão pequena. Eu tive que recalibrar completamente. E acho que não é pouca coincidência que colocar essa história na cama me ajudou a encontrar impulso novamente“, diz ela.

Ela diz que gravou 10 músicas e espera lançar um disco completo na próxima primavera e sair em turnê.

É uma experiência tão catártica pegar essa amálgama de tudo que eu meio que vivi nos últimos 10 anos desde que fiz música, e colocar tudo lá. A alegria, a tristeza, tudo o que há no meio.”

Fonte I Traduzido e Adaptado por: Laura I Equipe do MMBR

autor: laura

  • A estrela de ‘This Is Us‘ se abre sobre a sua jornada para o Acampamento Sul no Campo Base do Everest, da doença da altitude à admiração: “Nunca na minha vida pensei que veria algo tão notável”.

Quando conheci a guia alpina de Eddie Bauer, Melissa Arnot Reid, fiquei admirada com quem ela é como humana, atleta e alpinista. Ouvir a sua história com o Monte Everest – ela chegou ao cume seis vezes e foi a primeira mulher americana a fazer isso sem oxigênio suplementar – foi o que colocou o bug no meu cérebro: eu sempre quis ir ao Himalaia, mas nunca tinha algum objetivo de escalar o Everest. Obviamente, eu não sou uma alpinista profissional. Definitivamente me assustou. Mas quando Melissa me contou sobre a jornada mais viável para o Acampamento Base Sul (17.600 pés, contra os 29.000 da cúpula), pensei: “É o que eu quero fazer assim que terminar o trabalho”. Eu não conseguia tirar isso do meu cérebro.

É uma janela estreita de tempo em que você pode caminhar até o Monte Everest: fevereiro a maio e outubro a dezembro. Melissa e eu estávamos lá no final da temporada, quando a maioria das equipes estava a caminho de casa.

Foi impressionante aterrar em algum lugar do mundo em desenvolvimento: Kathmandu, Nepal, com o seu tráfego e caos, parecia uma reminiscência das principais cidades da Índia que visitei. Primeiro, conversamos com uma viúva de Sherpa, que foi capaz de abrir um restaurante para apoiar a sua família com a ajuda da organização sem fins lucrativos de Melissa, The Juniper Fund. (A Melissa foi co-fundadora em 2012 para fornecer financiamento e treinamento profissional para as famílias dos locais de Sherpa que perderam a vida fazendo trekking – quando esses chefes de família morrem, as suas esposas, mães e famílias são deixadas sem nenhuma maneira de sobreviver. Em Namche, visitamos algumas dessas mulheres e foi um verdadeiro destaque de toda a experiência.)

No dia seguinte, subimos em um passeio de helicóptero de 45 minutos até Phakding, que fica a 8.000 pés acima do nível do mar no vale do Khumbu. Era um universo completamente diferente – nada sobre a pequena vila rural se parecia com a cidade em que estávamos. Era alucinante e eu pensei: “Uau, tudo bem. Foi para isso que eu vim“.

Aterrissamos por volta das 8 horas e, depois de um pouco de chá e café da manhã, começamos. Foi um dia muito fácil. Não ganhamos altitude ao caminharmos cerca de duas horas até a nossa primeira casa de chá bonita, em Monjo, onde tomamos chá e comemos pipoca. Casas de chá são pousadas básicas ou casas de família que os Sherpa abrem para os trekkers para acomodação, almoço e lanches. Ficamos em oito ao longo do caminho. Interagir com os sherpas assim e ficar em suas casas me fez sentir mais próxima das pessoas e de seu mundo. Eu estava aprendendo a cada passo do caminho, tendo uma visão interna da cultura dos sherpas e o quanto as montanhas significam para eles. Isso realmente fez a viagem.

Muitos de nossos dias giravam em torno de comida e bebida, porque é incrivelmente importante manter-se hidratado e obter calorias suficientes. Melissa nos deu essa estatística maluca de que você queima de duas a quatro vezes as calorias normais em altitude, de modo que a pessoa média queima 2.000 por dia sem fazer nada, e isso sobe para 4.000 a 8.000 calorias durante a caminhada. Muitos sherpas e carregadores bebem o que chamam de dud chiya, chá preto com leite de iaque. Foi delicioso e fiquei obcecada por isso. A cada parada, bebíamos grandes quantidades. As refeições – principalmente pratos nepaleses, incluindo sopa de alho – eram caseiras. Em altitudes elevadas, comemos muito arroz frito, pois é seguro para o estômago.

Trekking logo se tornou um desafio, mais por causa da altitude do que das próprias caminhadas. Às vezes, ganhamos de 3.000 a 4.000 pés de elevação por dia, caminhando cinco ou sete horas; alguns dias, andamos apenas três. Não estávamos correndo uma maratona. Bistari, bistari significa “devagar, devagar” em Sherpa, e era o nosso lema. Garantimos que não estávamos nos esforçando demais. Melissa me ensinou essa técnica de respiração sob pressão, uma inspiração rápida e uma expiração aguda, como se você estivesse soprando as velas em um bolo de aniversário. Ela abre os pulmões e ajuda a absorver mais oxigênio; assim, à medida que ganhamos altitude, a fizemos a cada cinco ou seis etapas. Em altitudes tão extremas, às vezes você se sente enjoado, cansado, com uma persistente dor de cabeça de baixo grau. Mas você ficaria surpreso com o quanto uma respiração dessa em seguida realmente dissipa a dor de cabeça.

Houve uma noite a 14.500 pés quando acordei engasgada e tossindo. É algo que pode acontecer ao dormir em altitude – o seu corpo para de respirar momentaneamente, como apneia do sono. Ele acorda e é bastante assustador, mas só aconteceu naquela noite.

Nos sentimos um pouco cansados ​​quanto mais subíamos. Enquanto caminhávamos, tentei estar presente e apreciar tudo. Era difícil não ficar impressionada. Realmente não é sobre o Everest; trata-se de todas as outras montanhas incríveis e picos de 26.000 pés ao seu redor. Passei oito horas por dia apenas olhando para essas montanhas, e me aproximando delas faz com que você se sinta insignificante da maneira mais importante. Era toda a terapia que eu precisava.

Houve um dia no final da viagem, quando me senti aninhada entre todos eles. Tenho lágrimas nos olhos só de lembrar. Eu nunca na minha vida pensei que veria algo tão notável. Isso literalmente me deixou sem fôlego.

No dia sete, quando chegamos ao Acampamento Base, foi impressionante. Mas todos os dias tinham algo parecido. A todo momento, houve um momento em que você pensa: não acredito que isso exista no mundo. Chegar ao acampamento base definitivamente foi importante, mas foi a totalidade da jornada que foi a razão pela qual estávamos lá. Realmente não se tratava de chegar a esse ponto.

Melissa disse que, após grandes viagens, há uma ressaca emocional. E depois de marcar o objetivo do Acampamento Base, eu definitivamente me senti um pouco vazia, como se houvesse um pouco de vazio. Entendo que levará tempo para que a experiência seja refletida de volta na minha vida. Mas ainda não acredito que fizemos isso.

Fonte I Traduzido e Adaptado por: Laura I Equipe do MMBR

autor: laura

Embora ela faça os espectadores chorarem na tela, são apenas risadas por trás das câmeras para Mandy Moore e os seus colegas de elenco.

Eu amo todo mundo. Somos uma família grande e pateta”, Moore, de 35 anos, diz a People sobre o elenco e a equipe por trás do sucesso familiar da NBC, This Is Us.

A atriz, que recebeu a sua primeira indicação ao Emmy este ano, revelou fatos surpreendentes dos bastidores sobre Milo Ventimiglia, Sterling K. Brown, Susan Kelechi Watson, Justin Hartley e Chrissy Metz após uma sessão de fotos para o portfólio do Emmy de 2019 da PEOPLE, “As Maiores Estrelas da Terra”.

Milo é um comilão“, diz Moore, que interpreta a matriarca Rebecca Pearson, sobre o seu marido na TV. “Muitas vezes, no trabalho, ele olha para mim e fica tipo ‘Ataque do lanche’, e eu fico tipo ‘Ataque do lanche’, e vamos para o ‘craft service’. Ele tem um paladar diferente do meu. Acho que nós dois nos encorajamos quando for a hora certa de aumentar a taxa de açúcar e fazemos como Nerds e Sweet Tarts, o que definitivamente não é o meu objetivo, mas, por alguma razão, Milo traz isso em mim.

collide_0240.jpg collide_0667.jpg collide_0830.jpg collide_1340.jpg

INÍCIO > ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2019 > PEOPLE MAGAZINE [AGOSTO]

Ventimiglia, 42, e Brown, 43, receberam consecutivamente indicações a Melhor Ator Dramático pelos seus papéis como Jack e Randall Pearson, respectivamente.

Não há nada que Sterling não possa fazer? Ele é maior que a vida em todos os sentidos e da melhor maneira. Muitas vezes fico surpresa com a sensibilidade dele“, diz Moore sobre o filho na tela, Brown, que tem um “lado delicado, onde ele é vulnerável e quer conversar sobre coisas da vida real“.

Ele é alguém com quem eu sei que posso conversar sobre o real da vida. E ele está sempre disposto a prestar atenção. Ele dá ótimos conselhos. Quero dizer, tenho certeza que as pessoas não ficam surpresas com isso… Ele é o melhor artista“, diz ela, acrescentando: “Se ele se candidatasse à presidência, eu votaria nele sem sequer pensar nisso“.

Quanto ao palhaço da classe de This Is Us?

Justin é a pessoa mais discreta e inesperadamente engraçada, ele me deixa louca“, diz ela. “Eu estava trabalhando com ele, John Huertas e Chris Sullivan. É um problema trabalhar com Justin e os dois porque eu sei que vou rir demais, e a equipe de maquiagem está sempre muito chateada comigo.

Moore acrescenta: “Eu sei que quando estou em minhas próteses, será um problema, porque quanto mais você fala, mexe a boca, ri e mastiga, mais isso as quebra“.

E as garotas no set são algumas das confidentes mais próximas de Moore.

Susan é uma espécie de batida do coração da nossa família, o que não seria surpreendente, considerando a personagem que ela interpreta. Ela é a pessoa com a qual eu me sinto profundamente ligada”, diz ela sobre Watson, que interpreta a nora Beth Pearson.

Eu não consigo trabalhar com ela tanto quanto eu gostaria. Estou sempre animada quando a Rebecca atual tem cenas na casa de Randall porque isso significa que, provavelmente, eu vou ficar com Susan e as meninas. Ela é alguém com quem eu também sinto que posso conversar sobre as coisas da vida real”, diz Moore. “Ela e Sterling, acho que as pessoas também sabem disso, são dançarinos incríveis, especialmente ela. Ela é notável, ela é a mais legal. Ela é tão quieta e parecida com um felino. Eu amo tanto a Susan.

Por último, mas não menos importante: Metz tem a sua mãe na tela, Moore, rindo descontroladamente no set.

Ela é uma cantora incrível e também é hilária. Ela é muito boa em fazer vozes e personagens. Ela aparece em algum tipo de voz engraçada ou em algo inesperado. E ela sempre me faz rir”, diz Moore.

Talvez seja a natureza do programa e do material, mas todos nós realmente gostamos de nos aprofundar em coisas e conversar sobre as coisas reais que estão acontecendo em nossas vidas. E ela é provavelmente a pessoa com quem eu mais o faço, só porque passo a maior parte do tempo com ela. Somos ambas garotas da Flórida, então temos esse tipo de conexão entre nós”, acrescenta ela.

A quarta temporada de This Is Us estreia em 24 de setembro na NBC.

collide_0240.jpg collide_0667.jpg collide_0830.jpg collide_1340.jpg

INÍCIO > CAPTURAS DE TELA | SCREEN CAPTURES > 2019 > PEOPLE MAGAZINE [AGOSTO]

  • Fonte I Traduzido e Adaptado por: Laura I Equipe do MMBR

autor: laura

A terceira temporada de This Is Us contou com tudo, desde um primeiro encontro barato e uma proposta de casamento igualmente barata a um bebê prematuro, uma recaída com álcool e uma guerra literal, além de descobertas de um tio morto há muito tempo e da sexualidade. A EW pediu recentemente aos membros do elenco do drama nunca-não-emotivo da NBC – que recebeu nove indicações ao Emmy, incluindo Melhor Série Dramática – para compartilhar as suas cenas mais desafiadoras para filmar, e agora Mandy Moore e companhia escolheram as suas cenas favoritas da terceira temporada.

  • Justin Hartley (Kevin)

Hartley gosta particularmente de “Songbird Road, Part Two”, especificamente o momento de conexão que Kevin e Rebecca (Mandy Moore) compartilharam depois que Kevin ficou frustrado em sua tentativa de ajudar o seu tio afligido por PTSD e viciado em substâncias, Nicky (Griffin Dunne).

Gostei muito de quando Kevin estava tentando levar o tio para o hospital para tratamento“, diz Hartley. “[Nicky] simplesmente não iria e Kevin precisava ir embora e desabafar. E então a mãe dele vem pelo corredor e eles conversam onde ele apenas diz: ‘Sabe, eu estou bravo com o pai’. Essa admissão. E então o jeito que ela cuidou dele e o vínculo que eles tinham. Eu realmente gosto do vínculo que Rebecca [Mandy Moore] e Kevin encontraram. Isso me lembra o que era quando ele era muito jovem, antes de decidir que era a ovelha negra.

  • Chrissy Metz (Kate)

Metz se apaixonou pela história de origem de Jack e Rebecca, que embarcam em seu primeiro encontro em um parque de diversões. Quando começa a chover, Jack enfrenta outro problema de liquidez.

Adorei o momento em que Jack confessa que não tinha dinheiro o suficiente para o guarda-chuva que Rebecca precisava no primeiro encontro“, diz Metz. “Se ele nunca deixasse o seu ego de lado para ser brutalmente honesto, quem saberia se algum dia haveria O Grande Trio?

  • Mandy Moore (Rebecca)

Moore diz que a série de cenas de “The Waiting Room” – que reuniu os Pearsons em uma sala de espera do hospital durante todo o episódio – não são apenas as cenas mais desafiadoras da temporada, mas também as favoritas.

Eu amo esse episódio, a experiência de fazê-lo“, diz ela. “Eu fico com algumas das minhas pessoas favoritas do planeta nos confins deste pequeno [espaço]. Nós nunca passamos esse tipo de tempo um com o outro.

A quarta temporada de This Is Us estreia no dia 24 de setembro na NBC.

collide_0240.jpg collide_0667.jpg collide_0830.jpg 

INÍCIO > TELEVISÃO | TV SERIES > ATRIZ | ACTRESS > THIS IS US (2016-) > TERCEIRA TEMPORADA > STILLS

  • Fonte I Traduzido e Adaptado por: Laura I Equipe do MMBR